Como estudar corretamente para provas e concursos públicos: Detonando a Banca

1 # Emocional, pensamentos e companhias

           A questão do “mimimi” é algo muito comum no universo concursando. Não é um sinal de fraqueza, meu entendimento, desde que você não desista e continue avançando nos estudos sem desculpas. Se você notar bem, o desafio existente no estudo para concursos reside não unicamente na imensa quantidade de matérias, mas especialmente na constância no objetivo. É aqui que o bicho pega para valer. Veja, uma coisa é você rolar uma pedra imensa por 20 metros, outra bem mais desafiadora é rolar essa mesma rocha morro acima por quilômetros. Uma coisa é correr os 100 m rasos em 10 segundos, segundo Usain Bolt esta é a parte fácil, o desafio está na preparação, no treinamento intenso que não vemos nas disputas olímpicas.

                                                                                     FONTE: mulpix.com

            Similarmente, estudar para concursos é rolar a rocha morro acima pelo tempo que for preciso, é treinar nos bastidores pelo tempo necessário. Isso leva ao segundo ponto: capacidade de foco, disciplina e garra! É aqui que você precisará trabalhar forte. Se a “dificuldade” residisse apenas na quantidade de conteúdo a ser dominada, não seria tão desafiadora assim; agora some a isso: rotina intensa de estudos por horas, dias, semanas, meses e até anos de preparação – se preciso for -, mudança de hábitos, garra, disciplina, limitação de parte de sua vida social para se dedicar à preparação, motivação para não ouvir aquele primo chato dizer que você não vai passar, a família no pé dizendo que você “não trabalha, só estuda”, (cuidado com os “amigos à sua volta, somos a média das 5 pessoas com as quais mais convivemos) as cobranças de todos os lados, as reprovações que podem acontecer, a necessidade de se manter concentrado e motivado com olhos apenas para seu objetivo final etc. Bem, creio que isto é uma mostra do quanto estudar para concursos é desafiador e mexe com a gente.

           É muito popular a frase: “quando pensar em desistir, lembre-se dos motivos que o fizeram iniciar”. Isto significa que se você não tiver certeza do motivo pelo qual resolveu ingressar nessa selva, que é o estudo para concursos, há grandes chances de você desistir no meio do caminho. Aliás, a chance é grande de nem ir fazer a prova, veja como é alta a estatística dos inscritos em certames públicos, mas que sequer prestam o concurso. Claro, os motivos são diversos, mas o desafio aqui posto sem dúvidas está inserido nessa matemática. Ah, se você pensar em desistir porque acredita que não irá conseguir, sugiro leitura do livro da autora Bronnie Ware intitulado “Antes de Partir – Uma Vida Transformada Pelo Convívio Com Pessoas Diante da Morte”. Garanto que você vai se arrepiar e “desistir de desistir”. Já adianto que o maior arrependimento que temos e teremos é o de não ter tentado mais, não ter insistido mais. Pense nisso. O que escrevi até aqui não é motivação, é realidade nua e crua.

                                                             FONTE: http://planetaazulindigo.blogspot.com.br

            Cuidado com o que você pensa, há muita força em seus pensamentos. A nossa realidade é reflexo do que pensamos, cuidado com o que acontece em sua mente. Portanto, desafie-se sempre! O inconformismo com a sua realidade atual e querer muda-la para melhor é um dos combustíveis do sucesso.

2 # Técnicas de estudo eficientes

             Entendo que esta é a parte mais “fácil” de se obter atualmente. Isso porque há diversos livros de ótima qualidade direcionando o estudante que tenha interesse em estudar de forma altamente produtiva. Assim também como há ótimos sites com essa finalidade (este no qual você se encontra é um deles). Tenho grande curiosidade e dedico parte do meu precioso tempo ao estudo de técnicas de aprendizagem acelerada. São eficientes e dão resultados. Sou prova disso. Mas o desafio aqui não reside em apenas dominá-las, a questão é se você não apenas sabe estudar de forma eficiente, mas se coloca essas técnicas em prática! Veja que retornamos ao tópico anterior (constância no propósito, foco, disciplina). Esse é um dos grandes desafios do século atual. A dificuldade não é obter informações, elas estão ao alcance de todos, o desafio é coloca-las em prática, adaptá-las a você de forma que gere os melhores resultados. Sócrates estava certo ao dizer a célebre frase: “conheça a ti mesmo”.  Vale a máxima de Tom Peters:

“teste rápido, se falhar, falhe rápido e corrija rápido”.

           Logo, aprendeu uma nova técnica de estudo, aplique-a, adapte-a, é assim que funciona. Aprenda a fazer resumos eficientes; aprenda grifar de forma produtiva; aprenda  estudar de forma ativa; planeje seus estudos (quadro horário ou ciclo de estudos – mas planeje); revise o que estudou; resolva questões da sua banca; controle seu desempenho na resolução de questões; estude mais o que sabe menos; estude mais as disciplinas que tem mais peso/número de questões na prova; resolva e resolva questões (repetido intencionalmente); marque as questões que errou e reestude os pontos correspondentes a elas (são um diagnóstico frio daquilo que você ainda precisa dominar); descubra quais pontos a banca mais cobra (nem tudo que está no edital é cobrado); antecipe ao edital (não espere a publicação de abertura para dar início aos estudos, se você não domina a matéria); estabeleça metas de estudos (o quanto de cada conteúdo irá estudar semanalmente, mensalmente) e busque bater isso a todo custo (cuidado com metas exageradas, cuidado também com aquelas que não geram avanço na matéria); intercale as disciplinas (estude uma de exatas como matemática ou Raciocínio Lógico seguida de outra mais decoreba como Direito); estabeleça sessões de estudos de até 1h30; faça pausa de descanso após cada sessão de estudos de 10 a 15 minutos (isso é importante); estude para valer (ninguém passa sem estudar e bastante) mas com técnicas; tenha uma metodologia de estudos para cada matéria (não se estuda lei seca da mesma forma que estudamos Exatas por exemplo – tenha estratégia de estudos); avalie-se continuamente com questões da sua banca e similares a ela (repetido intencionalmente); aprenda a resolver questões (não é simples ato de sair marcando x por aí); tenha foco (não atire para todos os lados); escolha ótimos materiais direcionados para concursos (o Estratégia Concursos e o Ponto dos Concursos são excelentes); aplique ferramentas que darão um upgrade aos seus estudos: mapas mentais, flash cards, fichas, esquemas; faça o seu resumo (os meus não servem para você e o seu não serve para mim – resumo é sempre pessoal); não ouça aos que só dizem não; trabalhe para valer; não desista, insista sempre!

Antes de ir à guerra dos concursos, aprenda a guerrear!

Isto é estudo efetivo para concursos. Há artigos neste site detalhando cada tópico explanado acima!

Bons e produtivos estudos!

 

Você pode gostar...